2 de junho de 2013

ATPC - semana de 03/06 a 07/06/2013.

Para desenvolver uma habilidade leitora específica usando estratégias de leitura:

Caro colega de trabalho!

Está semana a proposta é elaborar uma Sequência de Atividades. A atividade ficará mais completa e rica se você aplicá-la em sala de aula, assim poderá avaliar as etapas positivas e as que precisam de ajustes.
É importante que você veja e comente a atividade de seus colegas e também fale sobre sua experiência.

Bom trabalho!!!


Orientações:

A) Escolha uma habilidade, entre as apontadas abaixo (retiradas dos resultados da Avaliação em processo), e que você usará como pretexto para uma Sequência de Atividades.

1. (H11-GII) Estabelecer relações entre imagens (foto ou ilustração) e o corpo do texto, comparando itens de informação explícita
2.  ( H06 GI) Localizar item de informação explícita, com base na compreensão global de um texto
3. (D18 SAEB) Reconhecer o efeito de sentido decorrente da escolha de uma determinada palavra ou expressão.
4. (H3 – Enem) Relacionar informações geradas nos sistemas de comunicação e informação, considerando a função social desses sistemas.
5. (H23 – Enem) Inferir em um texto quais são os objetivos de seu produtor e quem é seu público alvo, pela análise de procedimentos argumentativos utilizados.
6. (H27 – Enem) Reconhecer os usos da norma padrão da língua portuguesa nas diferentes situações de comunicação.
7.  (D20 - Prova Brasil/Saeb)  Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos que tratam do mesmo tema, em função das condições em que ele foi produzido e daquelas em que será recebido.
8.   (H10 - GIII (3ª Série EM) Saresp) Inferir tema ou assunto principal de um texto, estabelecendo relações entre informações pressupostas ou subentendidas. 
(Matrizes: SARESP, ENEM) 

B) Habilidade elencada, escolha textos para realizar a atividade; 
C) Preveja o produto final (resenha, resumo, esquema, produção não verbal ....) 
D) Lembre-se de usar estratégias de leitura para todos os textos lidos; aponte em “Desenvolvimento”, etapas da sua atividade, as estratégias (quantas você acreditar necessárias) que irá usar.

Roteiro de estratégias de leitura, abaixo,  nas tabelas:
a.)  Capacidades de compreensão;
b.) Capacidades de apreciação e réplica do leitor em relação ao texto (interpretação, interação) .

 Plano de SEQUÊNCIA DE ATIVIDADE
  1. Professor: 
  2. Habilidade:
  3. Público alvo:
  4. Texto/autor, referência:
  5. Desenvolvimento -  Capacidades de compreensão e de apreciação e réplica do leitor em relação ao texto 
  6. Produto final:

 ESTRATÉGIAS DE LEITURA (Rojo, 2004)

a.)Capacidades de compreensão
 Sugestões de como desenvolver


1)  Ativação de conhecimentos prévios
Antes da leitura do texto propriamente dito, retomar conteúdos relacionados; fazer perguntas sobre o assunto, visando garantir a socialização desses conhecimentos; quando alguma dessas perguntas ficar sem resposta e ela for importante para a possibilidade de compreensão do texto, o professor deve antecipar esse conteúdo; etc.

2)   Antecipação ou predição de conteúdos ou propriedades dos textos





3)   (levantamento de hipóteses)
Antecipação ou predição de conteúdos: A partir da leitura do título, ou das informações sobre o autor do texto (papel social), incitar os alunos a antecipar conteúdos do texto a ser lido. Em alguns casos, essas perguntas podem se dar ao longo da leitura, em relação ao que está por vir, levando em conta o que já foi lido.

Antecipação ou predição propriedades dos textos: A partir do reconhecimento prévio ou de uma informação explícita do professor de que se trata de um exemplar de um gênero X ou Y (artigo de opinião, crônica) incitar o aluno a antecipar elementos e conteúdos do texto a ser lido.

4)  Checagem de hipóteses
Durante a leitura do texto, o professor deve ir retomando as hipóteses (antecipações) levantadas para verificar se elas foram ou não confirmadas. Se necessário e adequado, pode-se durante esse processo levantar outras hipóteses.

5)   Localização e/ou cópia de informações
Em função dos objetivos da leitura, algumas atividades devem favorecer a localização de informações cruciais do texto por meio de perguntas que dirigem o olhar do aluno para tais aspectos (conceitos ou relações que devem ser garantidos etc.). Procedimentos tais como sublinhar, copiar, iluminar informações relevantes devem ser estimulados para auxiliar o aluno a buscar pelas passagens essenciais e abandonar informações periféricas.

6) Comparação de informações
Durante a leitura do texto, algumas perguntas ou discussões coletivas podem estimular o aluno a comparar/contrastar informações presentes no próprio texto, de modo a auxiliá-lo, por exemplo, na identificação da tese, de argumentos, do conflito central, na realização de resumos etc. Por outro lado, atividades que o estimulem a comparar informações do texto com outras presentes em diferentes textos (orais ou escritos) favorecem a percepção de relações de intertextualidade ou até mesmo de interdiscursividade, ampliando a compreensão e estimulando a leitura crítica.

7) Generalização
Essencial para a realização de síntese da leitura, (e estreitamente relacionada às duas capacidades anteriores) esta capacidade pode ser estimulada por meio de perguntas ou discussões que levem o aluno a reconhecer características comuns ou regulares a dados ou acontecimentos singulares, a extrair uma regra ou princípio geral pela observação de exemplos particulares, trechos enumerativos, descritivos ou explicativos etc. Mais do que saber dizer sobre o tema tratado, é importante que o aluno possa dizer o que o autor pretendeu com aquele texto – explicar o funcionamento do sistema nervoso, defender sua posição frente à questão da redução da maioridade penal etc. Num segundo nível, pode-se também focar o essencial dessas explicações ou argumentações - qual a posição/tese que o autor defende e os principais argumentos que sustentam sua posição.

8) Produção de inferências locais
É possível levar o aluno a, levando em conta o contexto imediato do texto, deduzir o sentido de uma palavra desconhecida, identificar o referente de pronomes, relacionar expressões sinônimas ou equivalentes, compreender termos que retomam ou antecipam informações etc.

9)  Produção de inferências globais
Perguntas ou discussões podem favorecer que o aluno perceba o que não está dito explicitamente no texto, mas está pressuposto ou insinuado e deve ser inferido para que a compreensão se efetive. Chamar a atenção para pistas que o autor deixa no texto, tais como escolhas lexicais específicas, construções enfáticas, uso de operadores argumentativos, presença de linguagem figurada, ironia etc. são maneiras de favorecer inferências globais.Também colabora para isso o estabelecimento de relações produtivas entre as informações presentes no texto e a recuperação do contexto de produção do texto. Em qualquer um dos casos, fazer a distinção entre as inferências autorizadas pelo texto (marcadas pelas pistas ou determinadas pelo contexto de produção) e aquelas que não são autorizadas (fruto de uma interpretação excessivamente “livre” e pessoal) é fundamental.























b.) Capacidades de apreciação e réplica do leitor em relação ao texto (interpretação, interação)



Sugestões de como desenvolver

1)Recuperação do contexto de produção do texto
Focalizar - por meio de levantamento, estudo, pesquisa, perguntas, discussões, etc. - qualquer um dos elementos que compõem o contexto de produção do texto (autor, lugar social que ocupa, esfera social em que o texto circula, veículo em que é divulgado, momento histórico em que foi produzido, intenções comunicativas do autor, leitores presumidos, interlocutores contemporâneos etc.) é um procedimento essencial que favorece outras capacidades de leitura aqui elencadas, tais como, a ativação de conhecimentos prévios, a predição de conteúdos, a realização de inferências globais, a elaboração de apreciações estéticas ou afetivas e as relativas a valores éticos ou políticos etc.

2)Definição de finalidades e metas da atividade de leitura
A situação de leitura define suas finalidades e metas. Logo, principalmente na situação escolar que tende a ser “artificial”, na medida em que nem sempre é o leitor que define o que, por que e para que vai ler, é essencial explicitar ou criar a situação de leitura, por meio de recursos que podem ser autênticos (ler para buscar uma informação específica ou estudar, por exemplo) ou simulados (imagine que você vai ler esse texto para participar de um debate sobre o assunto, por exemplo)

 3)Percepção de relações de intertextualidade
Quanto maior é o número de relações que o leitor estabelece entre o que está lendo e o que já leu, ouviu, conversou, assistiu etc., sobre o mesmo tema, mais efetivo é o diálogo que ele trava com o texto. Assim, por meio de comentários, perguntas, retomadas, solicitação de pesquisas etc., é muito útil “refrescar sua memória” lembrando-o de conteúdos presentes em outros textos relacionados ao que está lendo, imaginando outros textos possíveis. Segundo Bakhtin, todo texto é de alguma forma resposta a textos anteriores e está prenhe de respostas ulteriores.
 4)Percepção de relações de interdiscursividade
O mesmo princípio anterior vale para esta capacidade no que diz respeito agora não a conteúdos do texto, mas a outros discursos aos quais o texto em questão remete. Assim, por exemplo, muitas vezes só é possível compreender uma referência, uma nota bibliográfica, uma ironia ou mesmo realizar uma inferência quando se leva em conta os discursos com os quais o texto dialoga, o que sempre inclui para além dos textos os contextos de produção desses textos. Atividades que levem o aluno a identificar ou explicitar tais diálogos favorecem esta capacidade.

5)Percepção de outras linguagens
Principalmente quando se preserva o portador original do texto a ser lido (por exemplo, uma notícia de jornal, no próprio jornal), perguntas e discussões que focalizam o para texto verbal e não-verbal que geralmente acompanha o texto (imagens, gráficos, tipos de letras, manchetes, boxes etc.) contribuem para a compreensão do texto como um todo.

 6)Elaboração de apreciações estéticas e/ou afetivas
Ler o texto, encarando-o como uma construção deliberada do autor e ser capaz de apreciar seus efeitos de sentido, identificando os recursos da língua que o autor mobiliza para produzi-los é uma capacidade bastante sofisticada e que leva o leitor a, de fato, fruir o texto. Assim, exercícios que levem o aluno a identificar uma organização textual bem feita, uma escolha lexical particularmente interessante, uma construção sintática feliz, um certo modo de encadear os argumentos, o uso de uma metáfora elucidativa, uma paragrafação rigorosa, a precisão no uso da língua etc. são maneiras de não só ampliar a capacidade de compreensão do texto em questão, mas também de formar o leitor (e o escritor) em geral que, a partir disso, terá mais condições para emitir opiniões de cunho mais afetivo sobre o texto.

 7)Elaboração de apreciações relativas a valores éticos e/ou políticos
Para ser capaz de realizar a réplica crítica ao texto, avaliando em que medida há concordância ou discordância com o autor, a coerência interna do texto, as conseqüências e desdobramentos das posições ali assumidas, os valores que expressa, as atitudes a que induz etc. é necessário estimular o aluno, por meio de perguntas, discussões, comparações a outros textos e discursos, debates etc. que extrapolem o texto em questão. Mas não basta perguntas do tipo “qual é a sua opinião sobre o assunto” ou “você concorda com x”, o que pode simplesmente suscitar superficialidades do que ele já pensa a respeito. É preciso oferecer elementos para que o aluno possa pensar coisas novas, aprofundar suas análises etc.
Referência: Rojo, 2004.Textos do EMR

Boa semana!


24 comentários:

  1. Kátia, fiz uma pequena aula sobre leitura através do mapa temático chamado anamorfose, em que as dimensões deste são referentes ao fenômeno tratado.

    Seqüência Didática

    1. Professor: Anselmo
    2. Habilidade: Estabelecer relações entre imagens (foto ou ilustração) e o corpo do texto, comparando itens de informação explícita.
    3. Público alvo: Alunos do 7°Ano
    2. Texto/autor: desconhecido. Fonte: http://www.geografia.seed.pr.gov.b
    3. Produto final: Redação sobre As diferentes formas socias, econômicas do Brasil através do Mapa.

    • Início da Aula: mobilização sobre o mapa e sua importância para compreendermos o Brasil.
    • Em seqüência aula expositiva sobre as várias funções do mapa ao longo dos séculos e o surgimento da cartografia e mapa temático.
    • Discussão sobre a forma do mapa: Pergunta instigadora: O que há de errado com esse mapa?
    • Apresentação de discussão da anamorfose e sua função como imagem reveladora.
    • Análise dos dados através do mapa anamórifico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anselmo,td bem?

      Interessante, fazermos a mesma escolha das habilidades. Eu não tinha visto ainda a sua postagem, mas compartilhamos da opinião de que os 6º e 7º anos têm uma grande dificuldade em estabelecer relações entre imagens e texto. Eu tenho uma folhinha,parecido com a ficha organizativa com comandas do que eu quero que eles explorem no texto. É bem simples, se quiser posso te passar.
      Mirian

      Excluir
    2. Profº Anselmo, esta habilidade é um "calcanhar de Aquiles", em todas as áreas. Foi muito boa a escolha. Sua contextualização está perfeita (importância para compreendermos o Brasil, funções do mapa ao longo dos séculos e o surgimento da cartografia e mapa temático), assim como o levantamento de hipóteses (O que há de errado com esse mapa?)... o que acredito que poderia ser previsto, é em relação aos conhecimentos prévios- antes de mostrar o mapa - o que eles já sabem sobre mapas.
      Lembrando que o ideal é que haja foco na habilidade, portanto deve estar previsto o momento de localização de informações, comparação de itens...
      Uma curiosidade: a produção de uma mapa, é possível?
      []s
      Kátia Albino

      Excluir
  2. Oi Kátia, podemos fazer nossa atividade com este modelo do professor Anselmo?
    Carlos Petri

    ResponderExcluir
  3. Sim professor Carlos. É o roteiro da proposta.

    ResponderExcluir
  4. Professora: Neuza Maria da Costa
    Disciplina Matemática:
    Assunto: Estatistica – problemas de estatística e análise, construção e leitura de gráficos: de barras e setores.
    Habilidades:
    – H11-GII :Estabelecer relações entre imagens (fotos ou ilustração) e o corpo do texto, comparando ítens de informação explicita.
    – H06- GI- Localizar informação explicita, com base na compreensão global do texto.
    Referência Bibliográfica:Matemática: ciência e aplicações, 3:ensino médio /Gelson iezzi...[et al.].--6.ed.--São Paulo:Saraiva, 2010.p.231a235.
    Desenvolvimento: A princípio em estatistica são dados conceitos básicos e onde a estatistica é usada, apresentando exemplos através de dados, onde o aluno aprende cálculos de porcentagens e a organizar tabelas ou fazer a leitura de tabelas. Também são apresentados outros elementos da estatistica: média, mediana, moda , desvio padrão e variança e a construir e interpretar gráficos. Então, já com estes conceitos partimos para a interpretação de problemas com dados de estatística ou para imagens de gráficos. É importante saber que no desenvolvimento de problemas com estatítica o aluno deve interpretar o problema, decidir sobre procedimentos adequados para a busca de solução ou ainda deve ser capaz de contruir e ou interpretar gráficos.
    B) os textos são de problemas com estatistica conforme páginas do livro citado acima.
    C) Existe uma infinidade de problemas do cotidiano envolvendo estatistica. Inclusive nas atividades do atpc anterior o grupo partiu da disciplina de geografia para estudos de gráficos com estudos da natalidade, mortalidade e estudo da média das idades da faixa etária predominante no Brasil. No livro sugerido fala da média de peso dos recém nascidos, de porcentagens de entrevistas, de médias de salários de uma determinada empresa, da média de pesos de clientes em um Spa, do tempo médio gasto na internet dos clientes de um determinado provedor e etc. O produto final das atividades é a competência da solução der problemas do cotidiano, bem como estar apto a interpretação, leitura e construção de gráficos com dados estatísticos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Profª Neuza, a leitura de um texto nunca deve estar desvinculada de seu contexto.Como já sabemos, as situações de leitura onde há gêneros de textos diversificados, como tabelas em jornais, textos em revistas científicas, até mesmo folhetos de ofertas de supermercados, como tantos outros, devidamente contextualizados, constituem meios favoráveis para o ensinoaprendizagem. Acredito que seria assertivo começar o trabalho apresentando os gêneros textuais (gráficos: de barras e setores) e saber o que os alunos já sabem a respeito.
      []s
      Kátia Albino

      Excluir
    2. ah! Profª Neusa, conhece está?
      Aritmética do Lilavati, século XI:
      “A quinta parte de um enxame de abelhas pousou na flor da Kadamba, a terça parte numa flor de Silinda, o triplo da diferença entre estes dois números voa sobre uma flor de Krutaja, e uma abelha adeja sozinha, no ar, atraída pelo perfume de um jasmim e de um pandnus. Diz-me, bela menina, qual é o número de abelhas”
      (apud MALBA TAHAN, 1983, p. 159).

      Excluir
  5. 1. Professor: Mirian - Língua Portuguesa
    2. Habilidade: Estabelecer relações entre imagens (foto ou ilustração) e o corpo do texto, comparando itens de informação explícita.
    3. Público alvo: Alunos do 6º ano
    2. Texto/autor: Crônica: Avestruz (Mário Prata) – caderno do aluno vol.2 p.9
    3. Produto final: Produção de uma narrativa sobre o “Meu pet de estimação”

    Seguindo a sugestão de desenvolvimento das capacidades leitoras da Roxane Rojo, minha sequência didática é centrada em três momentos:

    Antes da leitura:

    - Ativação do conhecimento prévio dos alunos;
    - Videos, cartazes ou figuras de animais exóticos dentre eles o avestruz;
    - Falar sobre o autor;
    - Iniciar a leitura segmentada

    Durante a leitura:

    - Fazer inferências locais (ironia na fala do autor ao se referir à ave)
    - Trabalhar o vocabulário, explicando o sentido da linguagem figurada (estômago de avestruz);
    - Debater sobre animais de estimação;
    - Falar sobre o posicionamento do autor argumentando contra,etc

    Depois da Leitura:

    - Trabalhar as tecnologias citadas no texto, (joguinhos eletrônicos,máquina digital de fotografia,videogame,mouse, etc.
    - Produção de texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andrea- sala de leitura9 de junho de 2013 17:41

      Olá prof. Mirian, tudo bem?
      Também concordo com a escolha que você fez das habilidade a serem trabalhadas. Essa turma tem bastante dificuldade na produção escrita e em estabelecer relações da imagem com o texto.

      Excluir
    2. Profª Mirian, situações-problema trabalhadas na ressignificação dos conteúdos costumam estimular o interesse dos alunos, bem como facilitar o aprendizado por meio da construção do conhecimento, pois abrem espaço para a oralidade (questionamentos, coleta de informações, argumentações). Quando os textos são trabalhados de modo compartilhado, com a orientação
      do professor, existe uma sensibilização do aluno para algumas das infinitas facetas que o texto carrega em si. Já, em um segundo momento, o aluno pode realizar a leitura sozinho, tendo mais condições de compreensão e reflexão sobre o assunto estudado, sabendo que cada texto apresenta um grau de porosidade diferenciado. Quanto à produção textual creio que você deverá indicar o gênero pretendido, além do seu leitor provável. Você citou as tecnologias abordadas no texto e intenção de explorá-las..... o gênero será uma fotonovela? um vídeo?
      Kátia Albino

      Excluir
  6. Professor: Carlos
    Habilidade: (H06 GI) Localizar item de informação explícita, com base na compreensão global de um texto.
    Público alvo: 7o ano
    Texto/autor: A origem dos Kaingaing e a criação dos animais (Fundação Pró-Memória); A origem da vida segundo o Gênesis (Livro do Gênesis 1, 1-27); Como surgiu a vida na Terra? (Caderno do Aluno).
    Produto final: ler e interpretar diferentes representações presentes em textos de natureza diversa; valorizar a diversidade do patrimônio cultural humano por meio de analises de diferentes temáticas sobre a origem da vida; analisar os textos e responder questões referentes a origem da vida na Terra.
    Metodologia:
    Mobilizar os alunos com perguntas sobre a origem da vida.
    Ler e comentar o texto com os alunos.
    Realizar um debate com toda a classe para tirar conclusões.
    Questões elaboradas para a reflexão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Profº Carlos, a compreensão na leitura varia segundo o grau de relação entre três variáveis: leitor, texto e contexto; quanto mais elas estiverem imbricadas umas nas outras, melhor será a compreensão. A interação entre leitor, texto e contexto é que efetivará a compreensão de um texto. Também é importante considerar todo o conhecimento anterior do sujeito, que lhe fornecerá subsídios para a compreensão do que lê. É necessário prever então as estratégias de leitura e interação com os textos. Não apenas o conteúdo conceitual, mas o procedimental, o atitudinal.
      []s
      Kátia Albino

      Excluir
  7. Katia
    Levando em conta o mesmo assunto, normalmente incluo nas minhas atividades a interpretação de mapas. Logo o que preparei, nesta semana , foi o seguinte:

    Professor: Domingos
    Habilidade: Estabelecer relações entre imagens (foto ou ilustração) e o corpo do texto, comparando itens de informação explícita.
    Publico alvo: 1 A/B/C
    Mapa: Posse de computadores ´pessoais
    Desenvolvimento: Normalmente introduzo o assunto com apresentação de um mapa e peço a eles para tentarem interpretar. Sempre faço questão de lembra-los da legenda que os mapas contem, que eles podem interpretar muitos elementos atraves da legenda.
    Só que este mapa não tinha legenda, re foi interessante que poucos alunos conseguiram "enxergar" os elementos sem a legenda. Depois de alguma insistência eles conseguiram interpretar totalmente o mapa, após mostrar as eles que nós podemos interpretarmos qualquer mapa, mesmo aqueles que não apresentam uma legenda.Basta um pouco de sensibilidade ao olhar um mapa.

    Após o entendimento na maneira de interpreta o mapa foi fácil conduzi-los com os questionamentos posteriores.

    O que eles precisam entender é que eles precisam tentar interpretar tudo, a vida nos faz sempre estar atento para tentar interpretar o que ela quer nos dizer. Nós não podemos simplesmente nos omitirmos para os questionamentos que nos apresenta. Temos que tentar sempre responder, mesmo que não seja o correto, pois muito dos questionamentos na vida é muito pessoal: o que pode ser errado para mim, é correto para outros. Nós só precisamos estar atento para poder responder sobre tudo, mesmo que não seja correto, completo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andrea- sala de leitura9 de junho de 2013 17:57

      Olá prof. Domingos, tudo bem?
      Concordo plenamente com você que nem tudo na vida vem pronto, certinho, redondo. Assim devemos buscar maneiras diversas para resolver as questões que ela nos propõe. O mesmo acontece no dia-a-dia das atividades em sala de aula.
      Devemos encarar a vida e os desafios como trampolim, e também incentivar os alunos a encarar as dificuldades que os exercícios propõe como algo positivo, que irá impulsionar suas habilidades e desenvolver mais o seu aprendizado.

      Excluir
  8. Professor: Adriano
    Habilidade: Localizar item de informação explícita, com base na compreensão global de um texto.
    Público alvo: 1º A, B e C (Revisão)

    Texto: Um enigmático problema com frações: O problema dos 35 camelos.

    C) Preveja o produto final.
    Como o autor conseguir resolver o problema.

    Desenvolvimento:
    Conceitos sobre frações, e leitura de problemas.
    Conforme fomos lendo o texto, vamos interagindo com os alunos sobre os dados que estão nos textos.

    Discutir com os alunos como o autor chegou ao resultado.

    Produto final: Os alunos conseguiram resolver outros problemas que envolviam frações propostos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andrea- sala de leitura9 de junho de 2013 17:34

      Olá prof. Adriano, tudo bem? E a esposa, está melhor?

      Interessante a sua escolha. Inclusive na aula de leitura da sua turma na semana passada, nós lemos sobre a biografia de Malba Tahan, e se quiser eu tenho cópias desse conto. E na biblioteca temos alguns livros do Malba Tahan (poucos, mas temos).

      Excluir
    2. Profº Adriano, de fato este texto é interessante, entretanto é preciso prever as estratégias de leitura para o texto.
      []s
      Kátia Albino

      Excluir
  9. andrea- sala de leitura9 de junho de 2013 17:27

    Professora Andrea- sala de leitura

    Habilidade: Inferir em um texto quais são os objetivos de seu produtor e quem é seu público alvo, pela análise de procedimentos argumentativos utilizados.

    Público alvo: 6o., 7o., 8o. anos.

    Textos: Carta ao leitor da revista Ciências Hoje

    Desenvolvimento: Primeiramente, os alunos estarão explorando a leitura da seção Carta ao Leitor da revista Ciencias Hoje. Eles atentarão sobre os seguintes itens:
    1- Para quem é endereçada a carta.
    2- Quem as escreveu.
    3- Aonde mora (cidade, estado)
    4- Que tipo de carta é (se só parabeniza e elogia a revista, se está fazendo sugestões de matéria a ser publicada, ou se está fazendo uma crítica social a respeito de uma reportagem)

    Enfatizar que a carta ao leitor geralmente tem o objetivo de compartilhar com todos os leitores da revista as opiniões e idéias de quem as escreveu.

    Produto final:
    Ao final da leitura, cada aluno irá ler a carta que mais lhe interessou. E após ler a revista, irá produzir uma carta ao leitor nos padrões acima trabalhados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. andrea- sala de leitura9 de junho de 2013 17:47

      Kátia, gostaria de enfatizar que o assunto Carta ao Leitor demanda um trabalho mais aprofundado. Mas eu publiquei apenas uma sintese, apropriada para uma aula de 50 min. Com certeza continuaremos a trabalhar com esse gênero em outros momentos. Obrigada

      Excluir
    2. Profª Andrea, compreendo que tem a finalidade de trabalhar o contexto de produção (posição social de autor, veículo, público alvo do veículo/coluna....), contudo é necessário prever o 'ANTES, DURANTE E DEPOIS' da leitura. Em relação a produção textual, também deverá prever o público alvo e ONDE irá circular (em um jornal mural? em um varal?)
      []s
      Kátia Albino

      Excluir
  10. Bom dia a todos!

    Segue o Plano de SEQUÊNCIA DE ATIVIDADE


    1.Professor: Pedro Machado

    2.Habilidade:
    a) (D20 - Prova Brasil/Saeb) Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na comparação de textos que tratam do mesmo tema, em função das condições em que ele foi produzido e daquelas em que será recebido.
    b)(H10 - GIII (3ª Série EM) Saresp) Inferir tema ou assunto principal de um texto, estabelecendo relações entre informações pressupostas ou subentendidas.

    3. Público alvo: Filosofia / 1º ano

    4. Texto/autor, referência:
    a) Charge (e apenas ela e não o texto do mesmo autor) de Diogo Salles disponível em http://blogs.estadao.com.br/tragico-e-comico/2010/08/18/morte-as-dinamicas-de-grupo/?doing_wp_cron=1370875979.4854528903961181640625
    b) Texto publicado na Folha de São Paulo, disponível em http://tools.folha.com.br/print?url=http%3A%2F%2Fclassificados.folha.uol.com.br%2Fempregos%2F2013%2F06%2F1291865-profissional-fica-pelada-para-conseguir-emprego-veja-outras-medidas-extremas.shtml&site=classificados%2Fempregos

    5.Desenvolvimento
    a.Leitura da charge (apenas a charge e não o texto do mesmo autor)
    - Identificar alguns pontos como:
    - Onde os sujeitos estão (localização)?
    - O que está acontecendo?
    - Identificar a mensagem que o cartunista quis passar
    - Identificar a crítica implícita na charge
    b. Fazer a leitura do texto da folha de São Paulo
    - Identificar qual a mensagem que o texto passa
    - Discutir as estratégias que os sujeitos utilizaram para ingressar no mercado de trabalho
    c. Relacionar a charge com o texto, identificando qual a mensagem que cada um deles passa, e qual a relação entre os dois.
    d. Trabalhar questões filosóficas de ética

    6.Produto final:
    Discussão filosófica sobre ética, comparando criticamente o texto a respeito de estratégias adotadas por alguns para ingressar no mercado de trabalho vs charge crítica a respeito de processos seletivos.

    ResponderExcluir
  11. O professor de Matemática pode promover várias situações em que o aluno simultaneamente constrói conceitos matemáticos e melhora sua competência leitora e
    escritora: criando histórias com base em figuras geométricas, escrevendo em forma
    de diálogos para apresentação em forma de teatro de sombras; criando jogos matemáticos abertos, elaborando as questões-desafio, o manual de instruções, as regras
    do jogo, a caixa do jogo, apresentando capítulos selecionados do livro O homem que
    calculava e outros, em forma de teatro, vídeo, desafios para a classe, sempre com
    fechamentos em forma de relatórios; criando jornais, revistinhas de desafios de lógica e do conteúdo trabalhado no momento; montando pasta de classe com questões
    de desafio de recortes de jornais e revistas; refletindo sobre notícias veiculadas na
    mídia e estudos sobre sua veracidade quanto às que podem envolver manipulação
    de dados; propondo a leitura de paradidáticos da área e outros da literatura infantil
    envolvendo diretamente ou não Matemática, tendo o cuidado, porém, de permitir
    que o aluno possa manipular o livro à vontade, ver suas imagens, suas cores, ler pelo
    simples prazer de ler, se envolver no aspecto lúdico que o livro carrega para depois
    iniciar um trabalho dirigido. Enfim, o professor de Matemática tem uma série de recursos facilitadores da aprendizagem que, se forem bem conduzidos, levarão o aluno
    a ter afinidades com a disciplina e maior competência de leitura e escrita

    ResponderExcluir
  12. Plano de sequência de atividade

    1. Professora: Andressa
    2. Habilidade: Estabelecer relações entre imagens (foto ou ilustração) e o corpo do texto, comparando itens de informação explícita e localizar item de informação explícita, com base na compreensão global de um texto.
    3. Público alvo: Alunos da 5ª série A
    4. Texto/autor, referência: A importância da higiene. (http://www.portalnatural.com.br/vida-saudavel/saude-e-bem-estar/a-importancia-da-higiene/#axzz2VvVuv2Pj )
    5. Desenvolvimento - Capacidades de compreensão e de apreciação e réplica do leitor em relação ao texto
    Inicie a aula verificando o que os alunos já sabem sobre hábitos de higiene pessoal. Converse com a turma sobre a escovação dos dentes, os momentos de lavar as mãos, a importância do banho em nosso dia-a-dia, como cuidar do meu corpo durante o banho? Higiene das unhas e cabelos, piolhos, o que acontece com nosso corpo se não cuidarmos dos hábitos de higiene?
    Durante a leitura do texto serão realizadas inferências e debates sobre higiene e saúde.
    Depois da leitura serão realizados exercícios de fixação.
    Quando todos os alunos terminarem suas atividades eles terão a oportunidade de mostrar para a turma o que eles aprenderam. É importante aproveitar este momento para instigar a participação da turma.
    6.Produto final: Atividades desenvolvidas em sala de aula.

    ResponderExcluir

Não esqueça de se identificar com nome completo e disciplina.