10 de fevereiro de 2013

ATPC: O Vídeo na Sala de Aula


a) Vocês utilizam filmes em suas aulas? Com que frequência?
b) Vocês costumam exibi-los integralmente ou em trechos?
c) De que forma o conteúdo de um filme é trabalhado em sala de aula?



Dinâmica
Assunto:  “Mau/bom  uso” da tecnologia
1.    Preparo
a.    Leia o texto de Moran (abaixo)
O texto foi extraído do original escrito por Juan Manoel Moran em 1995. 

Você se lembra desse ano? Era uma época em que a Educação ainda não se utilizava muito da informática e o vídeo era a tecnologia da moda.

No trecho em questão, o autor relaciona formas não muito indicadas para o uso do vídeo na educação. Com os contra-exemplos, tece um pano de fundo para indicar técnicas capazes de propiciar essa utilização.

Será que os estilos identificados podem ser os mesmos para o uso das outras tecnologias? 


b.    A proposta é que cada um prepare uma dramatização que represente o mal uso da tecnologia em sala de aula.
Portanto, cada um de vocês deverá indicar “em comentários” o tema que irá dramatizar no próximo ATPC sobre o mau uso da tecnologia. 
Ao escolher um tema que já estiver apontado, por um colega/professor, “em comentários”, deverá apresentar em dupla/ou grupo.
Usos inadequados em aula
-              Vídeo-tapa buraco
-              Vídeo-enrolação
-              Vídeo-deslumbramento
-              Vídeo-perfeição
-              Só vídeo

2.    Apresentação
-         O prof irá se apresentar sem mencionar qual tipo de uso está representando.
3.    Clínica
-          A cada apresentação os colegas, participantes do ATPC,  deverão identificar o uso inadequado e apontar possíveis usos adequados da tecnologia.

4. Tarefa de casa
Esta tarefa deverá ser socializada "em cometários" até o dia XXX:
Pense numa classe com a qual você esteja trabalhando atualmente e crie uma atividade em que o vídeo seja útil.  A ideia é que seja  bem simples, de curta duração, que lhe possibilite  avaliar o aprendizado. 
Leve em consideração as necessidades de aprendizagem da classe e de cada um. 

5. Desafio
Nosso desafio para você é o de aplicar essa atividade e trazer os resultados no próximo encontro. É importante que haja acompanhamento e registro desse processo para que a avaliação final estabeleça uma ligação efetiva entre o conteúdo proposto pela oficina e a realidade vivenciada na escola.

No próximo encontro discutiremos suas impressões com o grupo.


.•*¨*• bjks coloridas
…. .•*•Katia C. Albino



Texto para apoio: O Vídeo na Sala de Aula


José Manuel Moran
Finalmente o vídeo está chegando à sala de aula. E dele se esperam, como em tecnologias anteriores, soluções imediatas para os problemas crônicos do ensino-aprendizagem. O vídeo ajuda um bom professor, atrai os alunos, mas não modifica substancialmente a relação pedagógica. Aproxima a sala de aula do cotidiano, das linguagens de aprendizagem e comunicação da sociedade urbana, mas também introduz novas questões no processo educacional.
O vídeo está umbilicalmente ligado à televisão e a um contexto de lazer e entretenimento que passa, imperceptivelmente, para a sala de aula. Vídeo, na cabeça dos alunos, significa descanso e não "aula", o que modifica a postura, as expectativas em relação ao seu uso. Precisamos aproveitar essa expectativa positiva para atrair o aluno para os assuntos do nosso planejamento pedagógico. Mas, ao mesmo tempo, saber que necessitamos prestar atenção para estabelecer novas pontes entre o vídeo e as outras dinâmicas da aula.
Vídeo significa, também, uma forma de contar multilinguística, de superposição de códigos e significações, predominantemente audiovisuais,  mais próxima da sensibilidade e prática do homem urbano e ainda distante da linguagem educacional, mais apoiada no discurso verbal-escrito. [...]

Propostas de uso do vídeo
Proponho, a seguir, um roteiro simplificado e esquemático com algumas formas de trabalhar com o vídeo na sala de aula. Como roteiro, não há uma ordem rigorosa e pressupõe total liberdade de adaptação destas propostas à realidade de cada professor e dos seus alunos.

Usos inadequados em aula
-         Vídeo-tapa buraco: colocar vídeo quando há um problema inesperado, como ausência do professor. Usar este expediente eventualmente pode ser útil, mas se for feito com freqüência, desvaloriza o uso do vídeo e o associa – na cabeça do aluno – a não ter aula.
-         Vídeo-enrolação: exibir um vídeo sem muita ligação com a matéria. O aluno percebe que o vídeo é usado como forma de camuflar a aula. Pode concordar na hora, mas discorda do seu mau uso.
-         Vídeo-deslumbramento: o professor que acaba de descobrir o uso do vídeo costuma empolgar-se e passa vídeo em todas as aulas, esquecendo outras dinâmicas mais pertinentes. O uso exagerado do vídeo diminui a sua eficácia e empobrece as aulas.
-         Vídeo-perfeição: existem professores que questionam todos os vídeos possíveis porque possuem defeitos de informação ou estéticos. Os vídeos que apresentam conceitos problemáticos podem ser usados para descobri-los, junto com os alunos, e questioná-los.
-         Só vídeo: não é satisfatório didaticamente exibir o vídeo sem discuti-lo, sem integrá-lo com o assunto de aula, sem voltar e mostrar alguns momentos mais importantes.

Propostas de utilização
- Vídeo como sensibilização
É, do meu ponto de vista, o uso mais importante na escola. Um bom vídeo é interessantíssimo para introduzir um novo assunto, para despertar a curiosidade, a motivação para novos temas. Isso facilitará o desejo de pesquisa nos alunos para aprofundar o assunto do vídeo e da matéria.
- Vídeo como ilustração
O vídeo muitas vezes ajuda a mostrar o que se fala em aula, a compor cenários desconhecidos dos alunos. Por exemplo, um vídeo que exemplifica como eram os romanos na época de Júlio César ou Nero, mesmo que não seja totalmente fiel, ajuda a situar os alunos no tempo histórico. Um vídeo traz para a sala de aula realidades distantes dos alunos como, por exemplo, a Amazônia ou a África. A vida se aproxima da escola através do vídeo.
- Vídeo como simulação
É uma ilustração mais sofisticada. O vídeo pode simular experiências de química que seriam perigosas em laboratório ou que exigiriam muito tempo e recursos. Um vídeo pode mostrar o crescimento acelerado de uma planta, de uma árvore – da semente até a maturidade – em poucos segundos
- Vídeo como conteúdo de ensino
Vídeo que mostra determinado assunto, de forma direta ou indireta. De forma direta, quando informa sobre um tema específico orientando a sua interpretação. De forma indireta, quando mostra um tema, permitindo abordagens múltiplas, interdisciplinares.
- Vídeo como produção
       Como documentação, registro de eventos, de aulas, de estudos do meio, de experiências, de entrevistas, depoimentos. Isto facilita o trabalho do professor, dos alunos e dos futuros alunos. O professor deve poder documentar o que é mais importante para o seu trabalho, ter o seu próprio material de vídeo assim como tem os seus livros e apostilas para preparar as suas aulas. O professor estará atento para gravar o material audiovisual mais utilizado, para não depender sempre do empréstimo ou aluguel dos mesmos programas.
       Como intervenção: interferir, modificar um determinado programa, um material audiovisual, acrescentando uma nova trilha sonora ou editando o material de forma compacta ou introduzindo novas cenas com novos significados. O professor precisa perder o medo, o respeito ao vídeo, assim como ele interfere num texto escrito, modificando-o, acrescentando novos dados, novas interpretações, contextos mais próximos do aluno.
       Como expressão, como nova forma de comunicação, adaptada à sensibilidade principalmente das crianças e dos jovens. As crianças adoram fazer vídeo e a escola precisa incentivar o máximo possível a produção de pesquisas em vídeo pelos alunos. A produção em vídeo tem uma dimensão moderna e lúdica. Moderna, como um meio contemporâneo, novo e que integra linguagens. Lúdica, pela miniaturização da câmera, que permite brincar com a realidade, levá-la junto para qualquer lugar. Filmar é uma das experiências mais envolventes tanto para as crianças como para os adultos. Os alunos podem ser incentivados a produzir dentro de uma determinada matéria, ou dentro de um trabalho interdisciplinar. E também produzir programas informativos, feitos por eles mesmos e colocá-los em lugares visíveis dentro da escola e em horários em que muitas crianças possam assisti-los.
- Vídeo como avaliação
Dos alunos, do professor, do processo.
- Vídeo-espelho
Vejo-me na tela para poder compreender-me, para descobrir meu corpo, meus gestos, meus cacoetes. Vídeo-espelho para análise do grupo e dos papéis de cada um, para acompanhar o comportamento de cada um, do ponto de vista participativo, para incentivar os mais retraídos e pedir aos que falam muito para darem mais espaço aos colegas.
O vídeo-espelho é de grande utilidade para o professor se ver, examinar sua comunicação com os alunos, suas qualidades e defeitos.
- Vídeo como integração/suporte de outras mídias
       Vídeo como suporte da televisão e do cinema. Gravar em vídeo programas importantes da televisão para utilização em aula. Alugar ou comprar filmes de longa metragem, documentários para ampliar o conhecimento de cinema, iniciar os alunos na linguagem audiovisual.
       Vídeo interagindo com outras mídias como o computador, o CD-ROM, com os videogames, com a Internet. [...]

In: MORAN, José Manuel. O vídeo na sala de aula. Comunicação & Educação. São Paulo, ECA - Moderna, [2]: 27 a 35, jan./abr. de 1995.


PARA SABER MAIS
Consulte APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DO CURRÍCULO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não esqueça de se identificar com nome completo e disciplina.